Sábado, 02 de Março de 2024

Buscar  
saude

Publicada em 10/10/23 às 17:31h
Entidade médica emite alerta e traz recomendações para o uso de telas entre crianças e adolescentes
Departamento de Foniatria da ABORL-CCF publica nota técnica aos profissionais de saúde e reforça a importância das experiências sociais e sensoriais para o desenvolvimento cognitivo e linguístico na infância

Departamento de Foniatria da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF)

 (Foto: Divulgação)
A exposição excessiva às telas pode resultar em atrasos no desenvolvimento da fala e linguagem em crianças. Esse é o principal alerta que o Departamento de Foniatria da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF) faz em nota técnica publicada nesta segunda-feira (09/10), no site da entidade médica.

 

No documento, que também pode ser acessado pelo link, especialistas trazem recomendações sobre o uso de dispositivos eletrônicos, como celular, tablets, televisão e equipamentos afins, durante a infância e a adolescência.

 

A Fonitaria é uma sub-área da Otorrinolaringologia responsável por diagnosticar distúrbios de linguagem humana e comunicação. De acordo com os especialistas da área, a linguagem, considerada o sistema mais complexo dos seres humanos, é moldada desde os primeiros anos de vida por padrões universais de percepção e produção de fala, por exemplo. Além disso, as experiências sociais e sensoriais também ajudam a formar o desenvolvimento cognitivo e linguístico de bebês e crianças.
 

As crianças observam, rastreiam, imitam e analisam as pistas sensoriais, quanto a forma como os pais ou cuidadores interagem, incluindo a quantidade e a qualidade da fala, das brincadeiras e da leitura para a criança. Tudo isso afeta diretamente o desenvolvimento da linguagem nos primeiros três anos de vida.

 

Diante das telas, as crianças têm menos oportunidades de interagir com as pessoas. Isso reduz o tempo que deveria ser dedicado a brincadeiras e a atividades físicas, seja em casa, na escola ou ao ar livre. Essas atividades, quando realizadas sozinhas, com pais, amigos ou na escola, são fundamentais e estão de acordo com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

“A percepção auditiva das crianças menores de cinco anos difere dos adultos, devido à imaturidade do sistema auditivo. Este período inicial é crítico para o desenvolvimento da linguagem, sendo fundamental a exposição sem ruídos de fundo para a construção eficaz de "mapas" cerebrais dos sons das palavras”, informa a coordenadora do Departamento de Foniatria da ABORL-CCF, Dra. Mônica Elisabeth Simons Guerra.

 

A nota técnica ressalta que o uso excessivo de dispositivos eletrônicos e a luz emitida pelas telas podem acarretar em uma série de problemas de saúde e no desenvolvimento, incluindo sedentarismo, obesidade, isolamento social, distúrbios do sono, ansiedade, depressão e afeto à produção de melatonina, provocando problemas de concentração e memória.

 

Adolescência
 

Os adolescentes que ficam em exposição prolongada às telas têm interferência na fase de desenvolvimento crítico, influenciando comportamentos como busca por sensações, aumento da sexualidade e impulsividade. As recomendações da Associação Americana de Psiquiatria (APA) e outras organizações destacam a necessidade de equilíbrio no uso de telas nesta fase.

 

O que começa como uma distração na tela ou simples experimentação de um jogo de videogame pode interferir no sono, na atividade física, no desempenho escolar e nas interações sociais presentes, além de levar a frustrações, isolamento, distorções da realidade e sentimentos perturbadores com os quais os adolescentes ainda não conseguem lidar, podendo ser gatilhos para transtornos psíquicos mais graves.

 

“Até os 2 anos de idade, não é recomendado o uso de telas. Entre 3 e 6 anos de idade, esse tempo não deve exceder 1 hora por dia e deve ser reservado para atividades que envolvam interação com os pares, pais e cuidadores. E acima de 6 anos de idade e no caso dos adolescentes, deve-se pôr limites para garantir um equilíbrio saudável entre o tempo gasto em atividades físicas, sociais, sono e educacionais”, finaliza Dra. Mônica.

Semana da Foniatria

Para conscientizar sobre os efeitos negativos do uso excessivo de tela na infância e adolescência, o Departamento de Foniatria da ABORL-CCF promoverá na 2ª Semana da Foniatria de 16 a 20 de outubro. A iniciativa reunirá médicos instruindo a população sobre o assunto e respondendo dúvidas em bate-papos ao vivo pelo Instagram @otorrinoevoce, canal mantido pela ABORL-CCF para a promoção da educação em saúde.




(62)9670-9677




Hora Certa




Nenhuma programação cadastrada
para esse horário




Peça sua Música

  • Alan Carlos
    Cidade: Jussara Goiás
    Música: Beija bem Guilherme Silva
  • Rozenildosales
    Cidade: Jussara Goiás
    Música: Léo canhoto e Robertinho gaivota
  • Adriana Pereira
    Cidade: Jussara
    Música: Baixinho de Um Metro e Sessenta (Roberto de Campos)
  • Lucas Neres Do Carmo
    Cidade: Jussara
    Música: Quanto tá o placar do jogo
  • maria aparecida
    Cidade: jussara
    Música: secretaria amado batista, homamengagem helena plantão drogaria padrao
  • Debora
    Cidade: Goiânia
    Música: Meu número beijo para o krys bary bary
Publicidade Lateral




Bate Papo

Digite seu NOME:


Estatísticas
Visitas: 724609 Usuários Online: 8






Converse conosco pelo Whatsapp!
Kompleta FM DiGiTaL- A rádio que veio para fazer Diferente.
Copyright (c) 2024 - Kompleta FM DiGiTaL - Todos os direitos reservados